sexta-feira, 8 de maio de 2009

Documentário

video

Mataram Irmã Dorothy, de Daniel Junge (They Killed Sister Dorothy, EUA, 2008, 94min).
Em 12 de fevereiro de 2005, a americana Dorothy Stang, de 73 anos, foi assassinada com seis tiros à queima-roupa em Anapu, no Pará. Estava entre as iniciativas da missionária ativista, que veio para o Brasil em 1967, a luta pela desapropriação de terras públicas controladas por grileiros. O diretor americano Daniel Junge mostra no intrigante documentário em cartaz no Shopping Frei Caneca como a polícia chegou até os responsáveis pelo crime. Em delicada retrospectiva dos fatos, a fita ganha a apreensão e o nervosismo da plateia durante o julgamento dos criminosos. Nada escapa à lente da verdade do realizador – das esdrúxulas estratégias da defesa à reação atônita do irmão da freira no tribunal. O filme fica ainda mais "quente" com a recente prisão do fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida. Considerado culpado pelo assassinato em 2007, ele teve novo julgamento no ano passado e saiu livre. Voltou à cadeia no último dia 9, depois que a Justiça anulou sua absolvição.

O longa “Mataram Irmã Dorothy” foi o grande vencedor da primeira edição do Festival Pan-Amazônico de Documentários

O que mudou? Nada!

"Irmã Dorothy morreu defendendo os assentamentos de Anapu, em terra pública, do governo. O que me revolta mais, é que o próprio governo, até hoje, faz muito pouco para defender essas terras e as pessoas que vivem ali", afirma o padre Amaro Lopes, da Comissão Pastoral da Terra(CPT).

“A defesa da Amazônia continua sendo regada com o sangue dos justos. Irmã Dorothy defendia como poucos o patrimônio nacional dos ataques dos grileiros e tentava, de maneira incansável, que o Estado se fizesse presente em regiões remotas da Amazônia.É inaceitável que os marginais continuem imperando na Amazônia, silenciando a voz daqueles que defendem a preservação e os povos da floresta contra os interesses de grileiros, madeireiros e fazendeiros que operam ilegalmente na região”. , disse Paulo Adário, coordenador da campanha da Amazônia, do Greenpeace.

Nenhum comentário: